WikiLeaks: quando as informações se tornam perigosas

Todo mundo já deve ter ouvido falar no WikiLeaks. Nessas últimas semanas ele tem sido assunto constante na mídia. A fama se deve ao fato de que o site publicou informações (que deveriam ser secretas) sobre o governo norte-americano e sua tentativa de controlar o mundo, travestida de diplomacia. Inicialmente foi divulgado em abril deste ano um vídeo produzido em 2007 e que evidencia  a violência usada pelos militares norte-americanos no Iraque. O vídeo mostra civis iraquianos sendo mortos durante um ataque aéreo dos EUA.

Logo em seguida, em julho, o site divulgou o Afghan War Diary, composto por mais de 76.900 documentos secretos do governo dos EUA sobre a guerra no Afeganistão. Em outubro foi a vez do Iraq War Logs e o site tornou público quase 400.000 documentos secretos sobre a Guerra do Iraque. Mas a gota d’água para a diplomacia internacional parece ter sido mesmo os documentos publicados em novembro. O WikiLeaks disponibilizou cerca de 251.287 telegramas de embaixadas norte-americanas ao redor do mundo. Os telegramas datam de 1966 até fevereiro de 2010. Seus conteúdos? “Os telegramas mostram os EUA espionando seus aliados e a ONU; ignorando a corrupção e abusos de direitos humanos em Estados ‘serviçais’; negociando a portas fechadas com Estados supostamente neutros e fazendo lobby em prol das corporações americanas”, diz o porta-voz do WikiLeaks, Julian Assange.

Depois desta última publicação todos os olhos (todos os grandes olhos no sentido George Orwellniano da coisa) se voltaram para uma única pessoa: Julian Assange, apontado como principal responsável pelo site. Agora, todo mundo está querendo a cabeça de Assange. Atualmente o governo sueco está pedindo a sua prisão por suposto estupro que ele teria cometido no país, mas o paradeiro de Assange é desconhecido. Enquanto não o encontram vão atacando o WikiLeaks como podem. Esta semana o site sofreu vários ataques e foi tirado do ar, mas já está de volta em um novo endereço: http://213.251.145.96/

Assange  se tornou uma senhora pedra no sapato dos EUA e de seus aliados, afinal de contas, o cara revelou ao mundo o que todo mundo já sabia, no entanto, usou provas documentais bem comprometedoras. Não produziu as provas, mas usou as informações geradas pelo próprio governo norte-americano. As informações que o governo dos EUA utilizava como defesa de sua hegemonia, o WikiLeaks transformou numa arma poderosa e perigosa contra o próprio governo. Por isso, não é de se espantar todo esse alarde em torno da questão. Os EUA estão numa saia justa, não será fácil explicar/justificar tudo o que foi divulgado até agora, que deve ser só a ponta do iceberg. Muita coisa macabra ainda deve estar escondida. Enquanto isso, eles seguem ignorando a liberdade de expressão e censurando as informações divulgadas pelo site. Vão ter muito trabalho pela frente, porque caiu na rede e  muita gente já anda fazendo espelhos do site. Ainda há por aí milhões de Julians Assanges a solta para eles combaterem.

Se quiserem acompanhar as noticias sobre WikiLeaks basta acessar o seu twitter: http://twitter.com/Wikileaks

Ou acessar os sites da Folha e Estadão que criaram páginas especiais em seus sites só para falar (sensacionalisticamente) do assunto.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s